Cinema: Cinquenta tons de cinza


Finalmente!! O filme mais esperado de todos os tempos, para quem leu e amou a trilogia de E.L. James, a escritora que em 2013 entrou para a lista da Forbes como uma das escritoras mais bem pagas do mundo, tamanho foi o sucesso dessa história envolvente até a última palavra.

Eu adorei o filme. Mas o livro eu AMEI.

O filme está envolvente.. tanto que 125 min de filme passaram muito rápido.. e quando acaba a gente diz: nãoooooo, mas já? Porém senti falta da intensidade toda que está contida no livro.

Para quem não leu o livro, vai ficar a sensação de “não acredito que acabou”. Calma, gente.. é claro que tem mais.. e a história vai muito mais além e é por isso que terá mais dois filmes na sequência.

Lembre-se que o bom filme não é aquele que termina da forma como você espera, mas sim aquele que te deixa com uma insatisfação de quero mais.

Confesso que estava muito resistente com esse ator, Jamie Dornan..

Jamie Dornan

.. quando a gente esperava mesmo Matt Bomer..

Matt Bomer

.. mas Jamie mandou bem pra caramba. Vocês vão ver.

Aliás.. vão ver! É uma ordem.. do maravilhoso Grey!

BeijoMeu!

Cinema: O Juiz


Olááá..

Há dias assisti um filme que gostei muito e estava me esquecendo de resenhar 🙂

A começar pelo elenco, nada mais, nada menos que o Homem de Ferro. Ou se preferir, Robert Downey Jr.

Que além de gato, marrento (também aqui nO Juiz), é fã do Metallica! ❤

E é Hank Palmer em O Juiz, um advogado de muito sucesso, mas não com a mesma sorte no casamento.

Hank volta à sua cidade natal sozinho para o velório de sua mãe, mas não é muito bem recebido pelo seu velho, o Juiz veterano e respeitado da cidade, que anos depois, ainda tem traumas de sua rebeldia na adolescência.

Porém ao descobrir que seu pai está sob a acusação de um acidente que matou um homem que seu pai condenou há 20 anos, ele pega o caso e faz o que sabe fazer: um show.

A dinâmica do filme é muito inteligente, o que faz com que você ligue os pontos a todo instante, mas fique ansioso para o próximo nível. Não é óbvio.

Será que seu pai é condenado?

Além de todo o contexto tribunal, gostei muito da história pai/filho. E de como nos importamos constantemente com o que não importa e buscamos coisas vazias para nos preencher.

Mais que um bom filme, tem uma pegada familiar muito forte.

Ultimamente estou dando sorte para os filmes.. ! #OBAAA

Veja o trailer:

 

BeijoMeu!

Cinema: O Doador de Memórias


 

Imagine “um mundo” totalmente manipulado.

Ahh, Talita, mas e o nosso não é? Pois é.. esse filme me deixou exatamente com a sensação de liberdade e o inverso.

Em uma pequena comunidade, as pessoas vivem como se estivessem em um mundo ideal. Não existem diferenças, ódio, dor, doenças, guerras.. Por outro lado, também não existem sentimentos, cores..

Uma pessoa é encarregada de guardar e doar memórias do mundo como conhecemos, a fim de poupar os membros da comunidade de sofrimentos e guiá-los com sua sabedoria.

Meryl Streep é a líder do grupo de anciãos que comandam a comunidade.

Como já existe em alguns países, a profissão de cada jovem, é definida pelos líderes da comunidade, de acordo com o seu desempenho quando estudantes.

O novo escolhido para ser o Recebedor de Memórias, Jonas (Brenton Thwaites), ao conhecer a magnitude do que pode ser a vida, foge completamente das regras em busca da liberdade para sua comunidade.

É muito estranho você perceber que liberdade demais dá no que está. E que em quaisquer situações, os seres humanos fazem muitas escolhas erradas.

O filme é bem bacana. Pra refletir. Vale bem a pena assistir.

No final eu fiquei esperando o final feliz. Mas caracas.. o final foi ótimo! Fugiu do óbvio.

 

 

E gente.. eu não reconheci a Taylor Swift como Rosemary, filha do Doador de Memórias, que aparece em poucas cenas. Loira ou morena, pra que ser linda assim, né? Mas loira, so much more! 🙂

Beijo Meu!